quarta-feira, setembro 23, 2009

Denuncia de Irregularidades nas Missas de Dourados

Excelentíssimo e Reverendíssimo Dom Redovino Rizzardo,
Com diversas cópias.

Há pouco mais de 2 anos li seu artigo, "De novo a missa em Latim?", que teve amplo alcance na internet. Este artigo causou a mim, que sou um "fiel ligado a movimentos tradicionalistas com problemas de consciência em participar de celebrações eucarísticas mais vivas e espontâneas, como se começou a fazer a partir do Concílio Vaticano II" como V.E.R. nos descreve no artigo, um grande desconforto, pois, sendo um dos primeiros bispos a manifestar-se publicamente sobre o M.P. Summorum Pontificum, o artigo dava o tom para os demais bispos, não apenas do Brasil. Isto despertou minha atenção sobre a sua pessoa e também sobre a sua diocese, os quais venho acompanhando através da internet.

Neste interesse, li vários de seus artigos, até deparar-me com um que se referia novamente à missa segundo seu rito extraordinário: "Missa nordestina, gaúcha e romana", onde V.E.R. defende não apenas a inculturação mas as missas encenadas, fabricadas ou missas teatrais, como o caso das missas nordestina e gaúcha. Tomei conhecimento de uma carta aberta onde este mesmo artigo era questionado, infelizmente não encontrei resposta sua a esta carta.

Agora, recentemente encontrei um site de sua diocese, de uma fundação chamada Terceiro Milênio, nele pude acompanhar vários acontecimentos que demonstram o resultado direto do apoio a estas celebrações teatrais, onde se abandonam as normas para ganhar em popularidade, resultado que vou listar detalhadamente, com negritos e sublinhados meus:

1º - Os Vasos Sagrados

Instrução Redemptionis Sacramentum [117]: Os vasos sagrados, que estão destinados a receber o Corpo e a Sangue do Senhor, devem-se ser fabricados, estritamente, conforme as normas da tradição e dos livros litúrgicos.[205] As Conferências de Bispos tenham capacidade de decidir, com a aprovação da Sé apostólica, se é oportuno que os vasos sagrados também sejam elaborados com outros materiais sólidos. Sem dúvida, requer-se estritamente que este material, de acordo com a comum valorização de cada região, seja verdadeiramente nobre, de maneira que, com seu uso, tribute-se honra ao Senhor e se evite absolutamente o perigo de enfraquecer, aos olhos dos fiéis, a doutrina da presença real de Cristo nas espécies eucarísticas. Portanto, reprove-se qualquer uso, para a celebração da Missa, de vasos comuns ou de escasso valor, no que se refere à qualidade, ou carentes de todo valor artístico, ou simples recipientes, ou outros vasos de cristal, argila, porcelana e outros materiais que se quebram facilmente. Isto vale também para os metais e outros materiais, que se corroem (oxidam) facilmente.




Cálice de Vidro ou cristal
Maracaju – Paróquia Nossa Senhora Aparecida – Pe. Flávio Alencar

Fonte: http://www.terceiromilenio.org/album.php?album=evento213



Vasos de plástico ou argila - Dourados
Paróquia São Carlos – Missa Caipira – Pe. Junior César Caetano

Fonte: http://www.terceiromilenio.org/album.php?album=evento215



Não bastasse os vasos de vidro ou cristal
Dourados – Praça Paraguaia – Pe. Teodoro Benites

Fonte: http://www.terceiromilenio.org/album.php?album=evento339



Cálice feito com uma pata de boi
Dourados – CTG - Missa Crioula – Pe. Duvilío Antonini

Fonte: http://www.douradosagora.com.br/not-view.php?not_id=263530

2º As Vestes Litúrgicas

Instrução Redemptionis Sacramentum [121-128]: "... estas «vestes devem contribuir ao decoro da mesma ação sagrada»., ... «A vestimenta própria do sacerdote celebrante, na Missa e em outras ações sagradas que diretamente se relacionam com ela, é a casula ou planeta, caso não se indique outra coisa, vestida sobre a alva e a estola»..., .... Seja reprovado o abuso de que os sagrados ministros realizem a santa Missa, inclusive com a participação de só um assistente, sem usar as vestes sagradas ou só com a estola sobre a roupa monástica, ou o hábito comum dos religiosos, ou a roupa comum..., ... Os Ordinários cuidem de que este tipo de abusos sejam corrigidos rapidamente...., é impróprio estendê-las[as concessões] às inovações, para que assim não se percam os costumes transmitidos e o sentido de que estas normas da tradição não sofram menosprezo, pelo uso de formas e cores de acordo com a inclinação de cada um. Quando seja um dia festivo, os ornamentos sagrados de cor dourado ou prateado podem substituir os de outras cores, exceto os de cor preta.


Estolas de pano de cozinha - Dourados
Paróquia São Carlos – Missa Caipira – Pe. Junior César Caetano

Fonte: http://www.terceiromilenio.org/album.php?album=evento215


No lugar da estola uma faixa de cingir a cintura
Dourados – Praça Paraguaia – Pe. Teodoro Benites

Fonte: http://www.terceiromilenio.org/album.php?album=evento339


Em lugar da estola um lenço, em lugar da casula um poncho
Dourados – CTG - Missa Crioula – Pe. Duvilío Antonini

Fonte: http://www.douradosagora.com.br/not-view.php?not_id=263530

3º Dos Locais

Instrução Redemptionis Sacramentum [108]: «A celebração eucarística se tem de fazer em lugar sagrado, a não ser que, em um caso particular, a necessidade exija outra coisa; neste caso, a celebração deve se realizar em um lugar digno». Da necessidade do caso julgará, habitualmente, o Bispo diocesano para sua diocese.

Veja Dom Redovino, que as imagens acima demonstram várias destas missas celebradas em locais inadequados, segundo a oportunidade, e não a necessidade. Ou ocorrem desobedecendo a instrução e ao Código de Direito Canonico, ou então com a anuência de S.E.R., o bispo Diocesano.

4º Das Ceias e Festas

Instrução Redemptionis Sacramentum [77]: A celebração da santa Missa, de nenhum modo, pode ser inserida como parte integrante de uma ceia comum, nem se unir com qualquer tipo de banquete. Não se celebre a Missa, a não ser por grave necessidade, sobre uma mesa de refeição, ou num refeitório, ou num lugar que será utilizado para uma festa, nem em qualquer sala onde hajam alimentos, nem os participantes na Missa se sentem à mesa, durante a celebração. Se, por uma grave necessidade, deva-se celebrar a Missa no mesmo lugar onde depois será a refeição, deve-se mediar um espaço suficiente de tempo entre a conclusão da Missa e o início da refeição, sem que se exibam aos fiéis, durante a celebração da Missa, alimentos ordinários.


Há no altar pão comum, um pote plástico, e um vidro de Remédio
Dourados – CTG - Missa Crioula – Pe. Duvilío Antonini
Fonte: http://www.douradosagora.com.br/not-view.php?not_id=263530


Biscoitos e tereré
Dourados – Praça Paraguaia – Pe. Teodoro Benites

Fonte: http://www.terceiromilenio.org/album.php?album=evento339


Gostaria de perguntar a V.E.R., se não se deve exibir durante a celebração alimentos ordinários, o que está tentando ensinar ao povo Pe. Teodoro Benites na imagem acima?


E à propósito da imagem acima, o que pensará o povo vendo esta "concelebração"?

Caro Dom Redovino Rizzardo, pelo pouco que pude observar posso afirmar que não é um caso isolado de desobediência, não está restrito a uma paróquia, nem mesmo a uma cidade, pelo contrário, apesar de alguns sacerdotes estarem presentes em todos os itens aqui citados, a desobediência as normas litúrgicas ocorrem normalmente e amplamente em sua diocese.

Aparentemente estas ocorrências multiplicaram-se após sua anuência as missas teatrais. Digo teatrais, porque tenho certeza que nenhuma destas missas alegóricas fez parte do costume ou da tradição de nenhum dos povos por elas referidos, sejam os gaúchos, os paraguaios ou os nordestinos.

Venho lembrar-lhe que ao bispo cabe o múnus de ensinar, santificar e governar, e com pesar lhe digo, daqui de longe sua diocese demonstra que não conhece as normas litúrgicas ou não dá a elas nenhuma importância, não posso ver em tantos sacrilégios santificação alguma, parece, daqui de onde vejo, que sua diocese está desgovernada, onde cada um faz o que lhe dá na telha.

Resta saber se esta aparência representa a verdade ou ocorre a vossa revelia, e isto saberemos brevemente, pois agora que tenho certeza que V.E.R. tomou conhecimento dos abusos, suas ações demonstrarão sua posição real frente aos mesmos.

Despeço-me rogando a V.E.R. uma imediata intervenção para que cessem os abusos e sacrilégios,

Na Festa de São Lino, em 23 de Setembro de 2009
Fernando M. Azevedo

16 comentários:

Anônimo disse...

Ola Apologeta. Parabens por essa denúncia. Realmente é uma aberração, um sacrilégio que se faz com N. Sr. Jesus Cristo na Eucaristia.
Espero que o Bispo faça alguma coisa para banir esses abusos.
Espero que os fiéis desses padres se unam e boicotem esses tipos de celebração.
Basta de tolerancia com as irregularidades liturgicas!
É hora de voltarmos a tradição!
Fora com esses hereges!

Marilda

daniel disse...

Mas que absurdo, isso é um desrespeito total com Deus, na pessoa de seu Filho Jesus Cristo, na Sagrada Eucaristia. Essa diocese e os padres que a este gesto banal participam dever ser punidos. A Igreja não pode se adaptar ao povo, esse tem que reconhecer o verdadeiro caminho para chegar a Cristo. Em reparação desses atos: Glória ao Pai +, ao Filho + e ao Espírito Santo +. Como era no princíoio, agora e sempre. Amém!

Roberto Cunha disse...

Caros, colegas...
Espero que a fé de vcs, não volte ao tempo da inquisição.
Devemos lembrar que cada realidade é única. E sem dúvida particular que cada um. A fé não vem de rituais, mas da prática da caridade e do amor.

Maristela disse...

Jesus tenha misericórdia!!!Cálice feito de pata de vaca?!?!?Me perdoem, isso é profanação!!!
Atrair os fiéis requer mais que mudar o externo; é necessário pela Palavra, pelos gestos de adoração no altar, pelo respeito e amor profundos ao Corpo e Sangue do Senhor, levá-los à INTIMIDADE.
Nós leigos, precisamos, urgentemente, orar por nossos sacerdotes, bençãos em nossas vidas, para que sejam fiéis
ao Redemptionis Sacramentum, e tenham um coração profundamente adorador, cheio da sabedoria do Espírito Santo e amoroso como o Senhor.
Jesus Sacramentado, tem piedade de todos nós!!

Jean Patrik disse...

Paz do Senhor Jesus?
Querido, você é um Apologeta, ou faz apologia ao catolicismo romano?

Para mim você fosse Apologeta das Escrituras Sagradas, e com todo respeito, não de vans tradições que não leva um ímpio a Deus.

Se você crer que o que você segue é o único caminho, você estará terrivelmente encrencado, pois está mais longe do Céu do que Nicodemos.

Também vi algumas fotos, onde jesus, que não é o meu JESUS, está ainda na cruz. Por que?
Será que Ele não ressuscitou?

Que o ESPÍRITO SANTO lhe guie nas veredas da justiça e então deixara todo esse tradicionalismo que ao invés de levar os perdidos aos Céu, faz o contrário, os afastam mais ainda.

Fique com Deus!!!

Portal União disse...

Não adianta só denunciar!

Denunciam mas continuam a assistir essa nova missa profana e protestanizada.

Denunciam mas continuam acreditando que o Cristo desce numa profanação!

Lisardo

Anônimo disse...

o Senhor Jesus tenha piedade de nossas almas, tanto de nós que julgamos esses atos (ao meu ver) desrespeitosos e profanadores, quanto dos sacerdotes e liturgistas dessas paróquias. Não nos devemos esquecer que antes dos ritos Deus olha para a inclinação de cada coração e sendo essa pura, Sua misericórdia infinita certamente fala mais alto.
===> Agora, independente da regionalidade... Cálice de pata de Boi? Só apelando para misericódia divina mesmo...

Frater Henrique Maria,sjs disse...

Olá caro Apologeta. Realmente existem coisas irregulares nestas celebrações. Porém, não podemos ser tão escrupulosos, ou muito menos fazer "tempestade em copo d'água". Por acaso vc conhece a realidade de Dourados? Não podemos chamá-los de "hereges", mas realmente devem ser exostados na caridade de Cristo.

Apologeta disse...

Caro Irmão Henrique,

Apesar do texto não ser meu, conheço sim a realidade de Dourados, por isto mesmo repliquei aqui a denúncia, resido em Dourados a mais de 20 anos e posso lhe assegurar, o texto revela apenas uma parcela da realidade.

Anônimo disse...

Caro Apologeta,
Posto como anônimo só para facilitar o procedimento, mas meu nome é José.
Mudei de Piracicaba para Dourados no final de novembro de 2010, e realmente venho sentindo falta de uma liturgia onde realmente transpareça a verdadeira face da Igreja Católica.
Após quase 3 meses em Dourados, ainda não tive a oportunidade de participar de uma Missa livre daquele ridículo acompanhamento de palminhas durante praticamente todas as músicas. Essa porcaria tornou-se institucional, algo quase que obrigatório? Às vezes tenho a sensação de ouvir, no som das palmas, um eco do som das chibatadas que Nosso Senhor levou durante Sua Paixão, a qual é atualizada em todas as Santas Missas. Em alguns casos extremos há palmas até no "Amém" da Doxologia, onde o Sacrifício é apresentado... Em outro caso, mais extremo ainda, vi um Padre convidar o Diácono para recitar partes da Oração Eucarística, induzindo o pobre Diácono a repetir o pecado de Saul, quando este ofereceu um sacrifício sem ser Sacerdote.
E o Sinal da Cruz? Tem aqui em Dourados alguma Paróquia onde o Sinal da Cruz seja feito uma única vez, e seguindo-se a fórmula correta "em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo", com ou sem música tanto faz, mas o problema é a letra das músicas "obrigatoriamente" utilizadas: "em nome do Pai, em nome do Filho, em nome do Espírito Santo". Além disso, ao traçar várias vezes o sinal da Cruz, quando deveria ser uma só vez, repete-se o pecado de Moisés quando bateu duas vezes na pedra. Outro problema grave com essas musiquinhas de Sinal da Cruz é que uma delas diz "podes entrar, Senhor, neste lugar". E por acaso Deus precisa de autorização humana para entrar no Altar que é dEle?! Quanta petulância... O certo seria nós pedirmos autorização para nos aproximarmos do Altar de Deus, apesar de nossa indignidade, conforme repetimos as palavras do Centurião antes de comungar ("Senhor, eu não sou digno, etc").
E enquanto os reverendíssimos Padres, nesse contexto, encontram dificuldades em diferenciar Altar de palco, como se rezassem para o povo e não para Deus, fica difícil aos leigos, principalmente aos menos esclarecidos, enxergar o verdadeiro e tremendo Mistério do Santíssimo Sacrifício do Senhor que se atualiza em todas as Missas.
Se perguntarmos, individualmente a todas as pessoas que participaram de uma Missa típica daqui de Dourados, "o que é Missa?", talvez menos de 10% cheguem sequer a pronunciar a palavra "Sacrifício" em suas respostas. Sem essa palavra, que define a Missa em sua mais profunda essência, não existe a mínima noção sobre o que vem a ser Eucaristia, da qual a Igreja vive (Ecclesia de Eucharistia)!
Se a Igreja vive da Eucaristia, e se a forma como esta vem sendo celebrada torna tão difícil enxergar seu verdadeiro sentido, isso explica a proliferação de igrejas protestantes que observamos aqui. O protestante que um dia foi católico teve de fato grandes encontros com Jesus, ao contrário do que ele pensa, enquanto ainda era católico, em cada Missa da qual participou. O único problema é que não conseguiu perceber isso, em pequena parte por culpa própria, e em grande parte por culpa de uma forma de celebrar que coloca picuinhas em destaque, ao mesmo tempo em que praticamente se abafa a percepção do verdadeiro sentido do tremendo Mistério que se atualiza sobre o Altar.

Apologeta disse...

Caro José,

Há duas notícias tristes que me são novidade em seu comentário, posto que a tristeza maior em que consiste a degradação da liturgia em Dourados já me é bastante familiar.

A primeira é que estás ai a sofrer uma ausência que conheço tanto, e a ver Cristo ofendido de maneiras "inovadas" quase a todo domingo.

A segunda é que estás ai, logo agora, tanto necessitei de companheiros de "armas" para uma batalha que foi quase solitária, vez que contei verdadeiramente apenas com minha Esposa e filhos. Digo agora porque desde janeiro não resido mais em Dourados, mudei-me para Florianópolis, infelizmente a batalha aqui não é menor, e pelo que pude perceber, não há companheiros, alem dos habituais, por aqui também.

Do pouco que posso fazer para lhe ajudar, posso lhe indicar um sacerdote que celebrou a Missa de sempre em algumas ocasiões, e como recompensa foi transferido para um rincão proscrito à uma distancia segura (para o clero local).

Se possível envie um e-mail para apolog2000-apologeta@yahoo.com com um mail para que lhe possa por em contato com ele. Ou, alternativa mais comum, vá a Campo Grande, Paróquia São Sebastião, lá há celebração regular do rito de sempre aos Domingos as 17:00hs. Contato com o grupo de Campo Grande: www.defesacatolica.org.

Anônimo disse...

Boa tarde! Fico pensando:
1.Nos primórdios do Cristianismo,os cristãos/bispos/presbíteros e outros tinham facilidade ou possibilidade financeira/artística/artesanal para produzirem vasos e vestes destinados ao culto confeccionados em ouro ou outro metal nobre?
2.Como surgiu na Igreja o uso desses vasos e vestes?
3.Em sã consciência, é mais importante o significado e a vivência da celebração litúrgica do que as fórmulas, cânones, ritos, modos de celebração, tipos de utensílios e roupas? Carneiro do sul de MG.Deus os abençoe.

Anônimo disse...

Novamente é o Carneiro do sul de MG, se optarem por fornecer mais elementos de informação, fico agradecido. Passo e-mail:
carneirobc@hotmail.com

Anônimo disse...

infelizmente o pe theodoro é reitor do seminário diocesano!! que exemplo infeliz

Tarcisio Silva disse...

Pelo visto é preciso que os católicos estudem mais, pelo o menos uma minoria.Não acredito que em plena missão que a igreja se encontra atualmente ainda existam tantas pessoas com pensamentos medievais, conservadores ao extremo. Precisam ler mais sobre os documentos de Puebla e Medellin.O que significa Opção Preferencial pelos Pobres.Vou deixar este pequeno texto, acho que vai servir para alguns:"Queres honrar o Corpo de Cristo? Então não O desprezes nos seus membros, isto é, nos pobres que não têm que vestir, nem O honres no templo com vestes de seda, enquanto O abandonas lá fora ao frio e à nudez. Aquele que disse: «Isto é o Meu Corpo» (Mt 26, 26), e o realizou ao dizê-lo, é o mesmo que disse: «Porque tive fome e não Me destes de comer» (cf. Mt 25, 35); e também: «Sempre que deixastes de fazer isto a um destes pequeninos, foi a Mim que o deixastes de fazer» (Mt 25, 42.45). Aqui, o corpo de Cristo não necessita de vestes, mas de almas puras; além, necessita de muitos desvelos. Deus não precisa de vasos de ouro, mas de almas que sejam de ouro."(S.João Crisóstomo)
Vamos parar de denegrir os sacerdotes, de atingi-los com frases recheadas de ódio e rancor. PAZ E BEM!!!

Anônimo disse...

. Meu nome é Regina . Moro em Poços de Caldas minas gerais,
A Paz de Nosso Senhor p todos.. Só Ela pode nos acalmar neste terremoto de tristeza e desapontamento, de profanação MESMO... Não existe realidade daqui ou dali... deste ou de outro lugar... É só ver as missas q são rezadas na India, no japão e ver que nem todas são "inculturadas", parece q estamos dentro de uma Igreja catolica do sec XIX ... As pessoas que MORAM na India, no Paquistão, se vestem com as roupas de lá, mas o PADRE, veste a roupa de padre q deveria ser igual em todo o mundo... Todo mundo sabe q um monge budista é um monge budista, pq ele se veste como um monge budista...assim deveiam ser os padres, PELO MENOS DENTRO DAS IGREJAS, NA HORA DA MISSA..Respeito é bom , principalmente se tratando de Deus..